Uniforme hospitalar: importância e cuidados na utilização

De acordo com a ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, estão presentes no uniforme hospitalar entre 106  e 108  bactérias por 100cm2 de tecido. Por isso, é imprescindível que se tenham cuidados especiais no manuseio e limpeza das peças. Dessa forma, evita-se a contaminação não apenas dos pacientes, mas dos próprios profissionais. Já que, é através do uniforme hospitalar e de outros equipamentos de segurança que se evita a contaminação por vírus, bactérias e impurezas presentes no cotidiano. Confira os cuidados necessários para a sua lavagem e assepsia

Cuidados 

É essencial que os jalecos e demais EPIs não sejam usados fora do ambiente hospitalar. Ao sair para o almoço, por exemplo, os profissionais da área da saúde devem retirar todo o traje e deixá-lo no ambiente de trabalho. Os maiores riscos para os pacientes são a contaminação cruzada e as infecções hospitalares causadas por agentes externos e que podem ser trazidos da rua e restaurantes frequentados pelos profissionais. 

Além disso, durante o horário de trabalho é preciso estar com o jaleco devidamente fechado, evitar colocar objetos no bolso do traje, já que também podem ser vetores de contaminação. E ainda utilizar todos os outros itens de proteção individual, como luvas e máscaras. 

Lavagem e transporte dos uniformes hospitalares

Para transporte entre a casa e o hospital, o jaleco e outros uniformes hospitalares devem ser embalados em saco com zíper. Dessa forma evita-se a contaminação durante o caminho. A lavagem deve ser feita diariamente e sem contato com outras peças. É preciso ainda esterilizá-las em solução de hipoclorito, antes mesmo de fazer a lavagem, por cerca de uma hora.

Depois do procedimento pode ser feita a lavagem normal. Pode ser adicionado alvejante para a roupa voltar ao tom normal, já que o hipoclorito pode tornar as peças amareladas. Depois de seca, as peças devem ser embaladas no saco com zíper novamente para o transporte. 

Unidade de processamento de roupa 

Hospitais e clínicas normalmente tem convênio com empresas terceirizadas para fazer a correta lavagem e assepsia não apenas dos uniformes profissionais mas ainda de lençóis e outros tecidos utilizados no meio hospitalar passíveis de contaminação. A ANVISA é o órgão que regulamenta essa atividade.  

Processo de limpeza do uniforme hospitalar: 

  • Retirada da roupa suja da unidade geradora e seu acondicionamento.
  • Coleta e transporte da roupa suja até a unidade de processamento.
  • Recebimento, pesagem, separação e classificação da roupa suja. 
  • Processo de lavagem da roupa suja.
  • Centrifugação. 
  • Secagem, calandragem ou prensagem ou passadoria da roupa limpa. 
  • Separação, dobra, embalagem da roupa limpa. 
  • Armazenamento, transporte e distribuição da roupa limpa.

Credibilidade do uniforme hospitalar

Além da questão da segurança, os uniformes hospitalares transmitem credibilidade, profissionalismo e segurança. Sem contar que a padronização das roupa gera marketing espontâneo e as cores claras transmitem a imagem de higiene. O que é fundamental para os profissionais da área de saúde. Os pacientes devem se sentir cuidados e protegidos pelos profissionais da saúde e a imagem faz parte desse processo. Por isso, a questão de manutenção e personalização do uniforme também faz a diferença. A Serfer tem tradição na confecção de uniformes por todo o Brasil. Faça seu orçamento de uniformes hospitalares na imagem abaixo.

Artigo sobre uniforme hospitalar - Fale com a Serfer para orçamentos
Faça seu orçamento